Bucólicas ( III )

3 comments
 Fôra uma revelação!...


 O Bené - miniatura da peraltice insofrida - empós o arietismo dos trampázios porque, ´través a barbacã impérvia da zaragalhada, levara a sua insignificância de 2 ½ covados, assestou do cimo vertiginoso do campanário do Sto. Ambrósio co´o hiálito dos olhos deslumbrados. Lá-cima, adivinhava-se o esplendor coruscante que o colossal alampadário elétrico da paróquia dessorava, alardeando n´uma apoteose de luz, esplendendo n´uma faulação de teopsia; augurando, mesmo prenunciando a glória em que se iam ter os que se demoram no Cachoeiro do Itapoã quando, cá, viesse dar o eletrismo tentaculoso do progresso, deitando o raizame venulado dos fios sobre a acomia argilosa dos arruamentos; dir-se-ia, então, a nubilidade viripotente do progresso aparelhou o glabro Cachoeiro para o himeneu sensualizante da história, para a perpetuidade dos êxitos materiais, para a imortalidade dos louros exornando a fronte ovante da temeridade intimorata... O Bené, entanto, descurava d´estas subtilezas de venturas que se advinham, lá-longe, na esfumatura obliterante das promessas. O seu absorto espírito de infante vivia já no alumbramento fascinador da luz que aquele aparatoso astro rutilante efundia sobre a avernal escuridade do Cachoeiro. Verdade seja que o Nhô Lemos mandara acender almenaras em derredor da praça do Braguinha, mas, como escasseassem os cobres, falhou-se-lhe o altruístico intento aclarador... A luz do alampadário descobria-lhe a afanosa existência d´um mundo que supunha extinto na hecatombe universal dos crepúsculos para empós eclodir, à luz fecundadora da Aurora, na abiogênese fenomenal das criações. Ante seus lucelos esgazeados a enfiada toda dos fenômenos microcósmicos se lhe revelava: a mirmeciana operosidade das formigas, abalando n´uma carreira de prevenção maníaca; a avifauna dos larvíparos, ascendendo no vórtice ebulitivo de basto nuvrejão; a ronda noctívaga d´algum himenóptero erradio, exilado do regimem placentário das colméias, abandonado a inanidade inclemente d´um dia sempiterno... " - Não lograrão mais dormir estes pequenos?... Onde a escuridade salvífica da noute, entremeando o intertíscio trevoso da hora amena p´la azáfama ruidosa do babelismo diuturno?..." O Bené exasperava-se na zetética minuciosa d´este princípio de astronomia inverossímil: " Envelhecer-se jamais na perpetuidade moça d´um dia interminável!... A companhia elétrica trouxera-lhes a perspectiva prometedora da imortalidade na claridade rutilante d´um meio-dia eterno. O Bené, então, abalou para casa a participar a sua onerada mãezinha da prodigiosa nova que, efundindo-se p´la vascularidade cúprica dos fios, lhes prometia o electrismo solaz...


 ...Sorriu-lhe condescendente, estreitando-o n´um amplexo asilador d´indulgência enternecida.

3 comments

Ubi Pater Sum, Ibi Patria 17 de outubro de 2008 17:52

Preclaro, sucumbi à imidiatez da leitura. Escrevo de pronto, no calor das impressões vertiginosas; sacrifico até a polidez do nosso tácido acordo vernacular. É que se me pronunciou a premência de uma primeira aproximação, inda lacunar, a esse delicioso texto - um conto breve, Sr. Wagner ! A economia textual deriva da fluência curtida, tranpõe as armadilhas descritivas e salta - ligeira, viçosa, aos olhos do leitor que, imantado, mal se deu conta, percebe-se capturado. Uma preciosidade em recursos semânticos. Um texto arredio e, a um só tempo, rebarbativo. Vou retomá-lo a ver se descubro, se desvelo, a carpintaria que tragou-me como a ressaca dos olhos da grande personagem do bruxo do Cosme Velho. É de se ler mais vezes. Parabéns, amigo! Sinto-me um privilegiado ao receber tanto trigo em meio a joio farto. E eu ando farto sim. Experimentalismos em Ficção Científica, no meu caso, atendem a essa demanda de forma inversamente proporcional à forma como seu texto ...inova. Bom sabê-lo cultor da brevidade narrativa. Seria a música, a lira (as nossas prosaicas guitarras) o liame ?
Orgulhoso de nossa amizade,
Amplexi maxi !

De Marco Antonio Araújo Bueno, Psicanalista lacaniano, consultor "ad hoc" Revista da Universidade de Maringá, cronista e contista e prof.de Projetos de Pesquisa em Psicologia e Metodologia Científica.

Ubi Pater Sum, Ibi Patria 5 de abril de 2010 06:31

Wagner, meu caro, sem recursos novidadeiros nem pirotecnia de vogas, ei-lo, aqui, tangenciano steampunk, via linguagem; só!





De Marco Antonio Araújo Bueno, Psicanalista lacaniano, consultor "ad hoc" Revista da Universidade de Maringá, cronista e contista e prof.de Projetos de Pesquisa em Psicologia e Metodologia Científica.

Anônimo 7 de janeiro de 2013 21:09


[url=http://shenenmaoyii.tumblr.com/][b]sac longchamp[/b][/url]
[url=http://shenenmaoyis.overblog.com/][b]sac longchamp[/b][/url]
[url=http://shenenmaoyii.webnode.cn/][b]sac longchamp[/b][/url]
[url=http://shenenmaoyii.blog.fc2blog.net/blog-entry-1.html][b]sac longchamp[/b][/url]
[url=http://shenenmaoyii.xanga.com/770813597/messenger-bags-for-guys---les-sacs-pour-cette-activit%C3%A9-ainsi-que-les-distinctive/][b]sac longchamp[/b][/url]

Postar um comentário